31 de maio de 2009

Iogurte de soja com morangos




Já fiz muitos iogurtes mas estes foram os primeiros iogurtes de soja. A receita é da novíssima revista Bimby n.08 (p.21) que apresenta a sugestão com frutos silvestres. Aqui vai a variante com morangos.

290 g morangos lavados sem pé

80 g açúcar amarelo

1 L leite de soja sem cálcio

20 g Maizena

1 iogurte de soja de morango


Coloque no copo os morangos, o açúcar e triture 5 Seg/ Vel 6.

Programa 5 Min/ Varoma/ Vel 2.

Junte 500 g do leite. a Maizena e programe 5 min /100º/ Vel 2.

Retire o copo da base e deixe arrefecer.

Incorpore o restante leite, o iogurte e programe 4 Min/ 50º/ Vel 4.

Terminado o tempo, abafe o copo com um ou dois sacos isotérmicos, durante 6 horas.

28 de maio de 2009

Maçãs do paraíso I


Chamei-lhe assim, porque há outra delícia de maçã de que conto dar notícias. Esta receita está no grande Forum Bimby com o nome de “O melhor bolo de maçã de sempre”. Já conhecia esta receita como ”bolo de maçã e canela”, "bolo de maçã e nozes”, “bolo da Ju”, mas este epíteto do universo bimbólico levou-me a fazê-lo duas vezes esta semana. Um deles, para um passeio do Johnnybigodes, numa forma grande com buraco, outro para comermos em casa, em tabuleiro. É deste último que tenho foto. Respeitei a receita original e juntei as nozes (que parti aos bocadinhos, à mão) à macã macerada. Num e noutro caso: comecei com uma camada de metade da massa, depois uma de metade da mistura de maçãs e nozes, o resto da massa, e por fim o resto das maçãs e nozes.
Para os fãs de bolo de maçã esta receita é perfeita:o bolo cresce muito! 

27 de maio de 2009

Feijão encarnado com ovos escalfados


Esta receita, que pode ser considerada uma variante das famosas ervilhas (que adoramos) proporciona um prato muito saboroso e nutritivo, que acompanhamos com arroz branco e uma salada verde.

Foi publicada no nº 1 da revista Bimby, momentos de partilha (p. 27) e, cá em casa, foi muito bem acolhida e reproduzida várias vezes. A receita original propõe um caldo de carne (cubo) mas suprimi essa introdução, por ser uma preparação plena de aroma. O sal tem que ser timidamente adicionado já que o bacon dá uma contribuição generosa para o tempero final.

Os ovos foram escalfados na Varoma.

1 cebola

2 dentes de alho

1 ramo de salsa

150 g tomate 30 g azeite

150 g bacon ou chouriço em pedaços

6 ovos

400 g de feijão encarnado cozido (uso 1 lata grande)

100 g vinho branco

100 g água

1 folha de louro

Sal e pimenta q.b

1- Coloque no copo a cebola, o alho, a salsa, o tomate, o azeite e pique 8 Seg/Vel 5.

2- Refogue 5 Min/Varoma/Vel 1.

3- Triture 15 Seg/Vel 7.

4- Adicione o bacon e programe 3 Min/100º/Inversa/Vel colher.

5- Prepare os ovos para escalfar na Varoma e reserve: forre a base da Varoma com uma folha de papel vegetal, parta os ovos e disponha-os sobre a mesma.

6- Quando terminar o refogado, adicione o feijão escorrido, o vinho, a água, a folha de louro, os temperos. Coloque a Varoma e programe 15 Min/Varoma/Inversa/Vel colher.

7- No fim rectifique os temperos e verifique se os ovos estão escalfados.

8- Sirva o feijão com os ovos escalfados e polvilhe com salsa picada.

26 de maio de 2009

Brisas Africanas


No Domingo à noite era suposto visitarmos uma amiga, na sua nova casa, e preparei (com a ajuda da minha filha) estas "brisas" para tomarmos com o chá. A rapariga ficou, entretanto, doente (gripe… ai, ai…), a visita adiada, e acabei por levar as brisas para os meus colegas, na segunda-feira.
Tirei a receita do livro Bimby “O Melhor das Nossas Famílias”, p. 128. Para quem não tem o livro, pode encontrar a receita no blog a bimby faz

25 de maio de 2009

Sopa de peixe à moda de casa


Gostamos muito de sopas de peixe. Os miúdos não gostam tanto da que leva tomate mas gostam deste creme de legumes e peixe.

Usei uma cabeça de cherne mas pode ser feito com qualquer peixe.

Para o caldo, em vez de sal e casca de limão usei um sal amarelo, que é sal aromatizado de limão e que pode ser usado em saladas e não só. Existe na loja sueca do IKEA. Aliás, lá também se vende aneto seco, por vezes tão difícil de encontrar.

Para 4-5 pessoas:

Para o caldo de peixe:

1-2 (depende do tamanho) postas de peixe a gosto ou uma cabeça de um peixe grande

Água q.b. para cozer o peixe

Sal e pimenta q.b.

1 casca de limão

1 molho de salsa

1 cebola

2 dentes de alho

2 cravinhos

Um fio de azeite

Para a sopa:

1 cebola

1 dente de alho

50 g de azeite

2 dL de vinho branco

0,5 L de caldo de peixe anteriormente preparado e coado

1 casca de laranja

2 alhos franceses

2 curgetes

1 cenoura grande

1 batata

sal

1 mollho de coentros picados

 

Para o caldo:

1-     Espetar os cravinhos na cebola, juntar o resto dos ingredientes e fazer ferver por 10 minutos. O tempo pode aumentar se o peixe for congelado.

2-     Retirar o peixe, deixar arrefecer e retirar pele e espinhas. Reservar.

3-     Coar o caldo aproveitando 0,5 L para a sopa. O que sobrar pode congelar-se e usar para preparar um arroz de peixe.

 Para a sopa:

(c/ indicações para a Bimby)

1-     No copo colocar a cebola e o alho e picar: (6 Seg/Vel 5), juntar a cebola e refogar (7 Min/100º/Vel 1).

2-     Juntar o vinho e reduzir (5 Min/100º/Vel 1).

3-     Adicionar o caldo, os legumes cortados, a casca de laranja e cozer (30 Min/100º/Vel 1 inversa).

4-     Retirar a casca da laranja e triturar até obter um puré bem liso (30 Seg/Vel 7 + 10 Seg/Vel 10).

5-     Rectificar o sal e a consistência (adicionando mais água fervida ou caldo, se necessário). Programar 10 Seg/Vel 10.

6-     Juntar o peixe e mexer com ajuda da espátula.

7-     Numa terrina, ou taça, colocar os coentros picados, verter a sopa por cima e homogeneizar. Ou então servir os coentros à parte.

Tarte de Mars


Este doce também se poderia chamar “Marte ataca”. Dizem-me que sabe a outro planeta! A receita está publicada no livro “Os doces do Manel” do Manuel Luís Goucha, e aqui está descrita a minha adaptação à Bimby. Convém preparar de véspera.

Para a base:
200 g de bolacha torrada
80 g de manteiga sem sal

Para o recheio:
4 gemas
150 g de açúcar em pó
250 g de queijo mascarpone, à temperatura ambiente
250 g de natas frias
4 folhas de gelatina
2 chocolates Mars

Para a cobertura:
1 lata de leite condensado cozido

Para a decoração:
25 g de chocolate de culinária, em barra
25 g de natas

Preparação:

1- Com o copo bem seco pulverize o açúcar 10 seg/Vel 9. Retire do copo e reserve.
2- Sem lavar o copo, coloque a “borboleta” na lâmina, junte as natas e bata 2 min/Vel3½. Retire a borboleta, retire as natas do copo e reserve-as no frigorífico.
3- Sem lavar o copo, coloque as bolachas e triture-as 5 seg/Vel 9. Adicione a manteiga e programe 20 seg/Vel 6. Com esta massa forre uma forma desmontável.
4- Por cima da massa coloque cubos ou fatias de chocolate Mars. Reserve.
5- Com o copo lavado, coloque a “borboleta” na lâmina, junte as gemas e o açúcar em pó reservado e bata 5 min/37º/Vel3½.
6- Demolhe as folhas de gelatina em água fria.
7- Adicione o queijo e programe 10 seg à mesma velocidade.
8- Junte as natas já batidas e programe 5 seg à mesma velocidade. Com a espátula faça descer as natas que ficam agarradas à parede interna do copo e bata mais 5 seg à mesma velocidade.
9- Escorra as folhas de gelatina e dissolva-as com 4 colheres de sopa de água bem quente.
10- Com a Bimby em funcionamento, na velocidade 3½, adicione a gelatina dissolvida através do orifício da tampa. Mantenha a agitação durante 5 seg.
11- Deite este preparado na forma, por cima do chocolate. Leve ao frigorífico algumas horas para ganhar consistência.
12- Com ajuda de um garfo, mexa o leite condensado cozido e deite na forma, por cima do preparado que entretanto terá ganho uma consistência mais sólida, de forma a obter uma camada o mais uniforme possível. Reserve.
13- No copo introduza o chocolate e as natas destinados à decoração e programe 4 min/100º/Vel 2.
14- Com uma colher, deite o chocolate em fio por cima do leite condensado e, com o auxílio de um palito, crie um aspecto marmoreado.
15- Leve novamente ao frigorífico até ao momento de servir.
16- Retire o aro da forma apenas na altura de servir. Sirva bem fresquinha.

22 de maio de 2009

Galinha em caldo de mancarra


Esta receita, que se confecciona na Guiné, foi introduzida na nossa mesa pela mão do Johnnybigodes, que aliás confeccionou e fotografou esta adaptação bimbólica. Usamos a pasta de amendoim em lata, mas na Bimby seria possível preparar a pasta em casa. Depois de abrir a lata congelo o resto para uma próxima utilização. Nunca usámos manteiga de amendoim, mas poderá ser uma alternativa.

Normalmente, acompanhamos com arroz branco (um must na Guiné). Além do arroz, desta vez acompanhámos com rama de beterraba salteada, que consegui encontrar no mercado biológico do Príncipe Real. Faço-as da mesma maneira como faço com os espinafres: alouro 2-3 dentes de alho em azeite. Junto as folhas cortadas em juliana grossa e os talos em pequenos pedaços e, depois de os envolver no azeite e os temperar com sal, deixo que “estufem” em lume baixo, na própria água, tapando o tacho. Nutricionalmente, são tão boas ou melhores que os espinafres; o sabor anda entre a beterraba e os espinafres; visualmente, são mais interessantes!

Quem conhece a Guiné “profunda” sabe que na tabanca mais remota se vendem caldos Knorr. Aventava uma explicação para isto, mas isso agora não interessa nada. Isto, para dizer que a receita original inclui mas eu torno esta inclusão opcional.


1 galinha (ou frango) aos pedaços pequenos (já fiz só com coxas ou só com peito)
2 cebolas
30 g azeite
3 c. sopa de pasta de amendoim (compro nas lojas de produtos africanos)
1 dL água
4 dL àgua fervente para desfazer a pasta de amendoím
1 caldo de galinha
Sal e pimenta/piri-piri q.b.

1- No copo colocar cebola, o azeite e programar 8 Seg/ Vel 5 e, a seguir, 7 Min/100º/ Vel 1.

2- Juntar o frango e programar 15 Min/100º/ Vel Colher Inversa.

3- À parte, dissolver a pasta com 4 dL de água fervente

4- À carne, adicionar 1 dL água e o caldo e programar 10 Min/100º/ Vel Colher Inversa.

5- Juntar a preparação do amendoim e programar mais 10 Min/100º/ Vel Colher Inversa. O tempo de cozedura poderá aumentar, dependendo da carne.

21 de maio de 2009

Os restos vestiram-se de gala

Para esta receita inspirei-me numa que está publicada na Marie Claire idées, nº 67, mas que não tinha nada a ver com “revisões-da-matéria-dada”. Fiz com arroz (era arroz branco, mas podia ser qualquer outro), mas penso que com batatas não seria pior. Os cogumelos salteados, só por si, constituem uma óptima entrada (com pão torrado).

Pode acompanhar-se ou não com molho. Como gostei com molho, deixo a receita.

400 g de arroz cozido

1 posta grande de bacalhau cozido, desfiado, sem pele nem espinhas

(ou 2 postas de outro peixe; ou uma lata grande de atum)

1 cebola cortada às lamelas

1 folha de louro

30 g de azeite

1 c. chá de molho inglês

1 c. chá de aneto em pó

4 ovos cozidos

400 g cogumelos salteados com alho (receita mais abaixo)

2 c. sopa de maionese

1 placa de massa folhada rectangular (comprei um rolo de massa folhada fresca no Lidl)

1 gema batida

 Molho: (opcional)

1 dL natas espessas

1 dL iogurte natural

Aneto ou cebolonho picado

2 c. sopa sumo de limão

 Cogumelos salteados com alho (livro base da Bimby, p.34 )

 400 g cogumelos

(se forem frescos: lavar e branquear com sumo de limão)

4-5 dentes de alho

70 g de azeite

Folhas de 6 pés de salsa

Sal e pimenta q.b.

 Na Bimby:

1-     No copo colocar os alhos e a salsa e picar 6 Seg/Vel 5.

2-     Colocar a borboleta, juntar o resto dos ingredientes e programar 12 Min/100º/Vel 1.

3-     Retirar o copinho, colocar o cesto invertido por cima da tampa e programar 5 Min/Varoma/Vel 1.

Preparação:

a- Polvilhar o arroz com o aneto, misturar e reservar.

b- Numa frigideira amolecer a cebola com o azeite e a folha de louro, deixar alourar e juntar o bacalhau. Deixar saltear e temperar com molho inglês.

c- Aquecer o forno a 220º C.

d- Num prato ou tabuleiro que possa ir ao forno e à mesa, deitar metade do arroz, fazendo um uma camada com a forma de um olho. Por cima colocar os ovos às rodelas e calcar. De seguida, colocar a cebolada de bacalhau, calcando bem e, de seguida, os cogumelos salteados, mas sem o molho. Tentar respeitar a forma da base. Colocar o restante arroz por cima e calcar bem (com a ajuda dos dedos é melhor), dando forma ao nosso peixão. Com a ajuda de um rapa ou as costas de uma colher espalhar a maionese por cima.

e- Estender a massa folhada por cima do preparado, de forma a cobri-lo. Com uma faca, cortar os excessos de massa, dando 1 cm de rebordo e criando o rabo do peixe. Com ajuda da faca desenhar as escamas e sobrepor um laçarote de massa por cima do rabo, para dar mais volume.

f- Pincelar com a gema batida e levar ao forno até ficar tostadinho e a massa cozida.

g- Para o molho, basta misturar todos os ingredientes.

20 de maio de 2009

Pão de pyrex

Esta é uma receita com muito sucesso cá em casa e que faço muitas vezes para lanches ou ceias. Não é preciso esperar para levedar a massa, não é preciso pré-aquecer o forno. E o resultado é sempre bom!. É preciso um pyrex com tampa, embora se possa usar uma forma que vá ao forno e tenha tampa. O meu pyrex tem 23 cm de diâmetro na abertura.

www.woburn-china.com

A receita que sigo pode ser encontrada no Forum Bimby (podem abrir os mais de 200 comentários, para ver múltiplas versões deste pãozinho). Esta mensagem é também uma homenagem à IRebelo, provavelmente, a contribuição mais inteligente e amorosa que passou pelo Forum. Tenho elegido e realizado muitas das suas receitas. Esta que aqui fica contém já rectificações relativamente à quantidade de sal.

175 g água

20 g azeite

15 g fermento de padeiro (compro em cubos no supermercado; como cada cubo tem 25 g, faço uma divisão geométrica do cubo em vez de pesar)

300 g farinha

1 c. chá sal

Azeite e farinha q.b.

Sem Bimby: Desfazer o fermento na água tépida. Colocar o azeite, a farinha e o sal e amassar bem até se conseguir uma boa consistência, usando um pouco mais de farinha se necessário. Seguir a partir do ponto 5, abaixo descrito.

Com Bimby:

1-     Colocar no copo: a agua, o azeite e o fermento de padeiro.

2-     Programar: 2 Min/37º/Vel 2.

3-     Adicionar a farinha, o sal e programar: 10 Seg/Vel 6 e depois 2 Min/ Vel espiga.

4-     Enquanto está a amassar verificar através do bucal se a massa está descolada das paredes do copo. Juntar um pouco mais de farinha até a massa começar a descolar das paredes do copo.

5-     Untar um pyrex com tampa.

6-     Com as mãos enfarinhadas, retirar a massa do copo, dar-lhe a forma de bola e colocar no pyrex.

7-     Com uma faca, fazer uns cortes na superfície da massa, pincelar com azeite e polvilhar com farinha.

8-     Levar ao forno frio e programar a temperatura de 220º C. Deverá estar pronto ao fim de 40-50 min, altura em que fica dourado.









19 de maio de 2009

Obazda


Dos tempos que vivi em Munique, recordo-me deste preparado de queijo que comia com as Bretzel e que se pronuncia “Opatzda”. Apresar de não ter encontrado o queijo Romadur, penso que esta versão não envergonha o original. Se passarem pela Baviera não deixem de provar e, claro, beber umas cervejas!

1 cebola pequena

2 c.sopa (bem cheias) de manteiga

250 g camembert

1 c. chá paprika

1 c. café cominhos

4 c. sopa cerveja (usei Weiss, mas pode ser preta ou outra)

Sal e pimenta q.b.

Na Bimby: colocar a cebola, a manteiga e a cerveja: 15 Seg/Vel 9 e depois 1,5 Min/50º/Vel 2. Temperar. Juntar o camembert e picar: 5 Seg/Vel 7. Rectificar o sal.

No copo da varinha mágica: colocar a cebola cortada, a manteiga mole e a cerveja e picar até que a cebola fique muito picadinha. Temperar. Juntar o camembert e picar até obter uma pasta grumosa. Rectificar o sal.

18 de maio de 2009

Torta de açúcar amarelo e refresco de capilé

As doçuras são loucuras? Pois é. Mas podem trazer-nos maravilhosas lembranças. No sábado de manhã fui com a família ao jardim do Príncipe Real, ao mercado de produtos biológicos (e já só isso chegava para me fazer feliz) quando me cruzei com o Quiosque de Refresco e fiz uma viagem no tempo até à minha infância, até aos fins de tarde na casa da Dédé, em que bebíamos um refresco de xarope de capilé. E foi um desses refrescos que bebi neste quiosque, onde encontrei igualmente uma série de coisas boas, do “antigamente”, para beber, e outras preciosidades para comer. O refresco de capilé é feito à base de xarope de avenca. O xarope de compra não será tão bom mas é sempre uma alternativa. Há mais dois quiosques: um no Largo de Camões e outro na Praça das Flores. A ideia de recuperar estas coisas, não podia ter sido melhor. 

Refresco:

25 a 50 mL de xarope capilé

1 casca de limão

2,5 dL água fresca

Gelo a gosto

Stirred not shaken.



A tortinha, pois só usei 6 ovos (não fosse a coisa não resultar), é um ensaio para reproduzir uma que comi, que tenho na lembrança, mas de que não tenho receita. O resultado em nada se parece ao da lembrança, mas é igualmente bom. Os meus colegas provaram e aprovaram.

Torta:

6 ovos

250 g açúcar amarelo

1 c. sopa maisena

Raspa e sumo de um limão pequeno


Aquecer o forno a 180º C.

Misturar bem o açúcar e a maisena. Adicionar o sumo e a raspa de limão. Juntar os ovos e bater bem.

Na Bimby: Colocar a casca do limão sem a parte branca, juntar o açúcar e a maisena e triturar 10 seg/Vel 9. Colocar a borboleta. Juntar o sumo e os ovos e bater 5 Min/37º/Vel 4.

Untar um tabuleiro com manteiga, forrar com papel vegetal e voltar a untar. Colocar a massa e levar ao forno 20 min. Verificar a cozedura com um palito.

Estender um pano de cozinha molhado (torcido) na mesa em que se vai enrolar a torta, desenformar a torta para cima do pano, remover o papel e com a ajuda do pano enrolar enquanto quente. Colocar na torteira depois de frio.


17 de maio de 2009

Wraps de salmão e rúcola selvagem


Os meus wraps preferidos são os de salmão, mas nunca tinha feito com rúcola. Adorámos.

Obrigada Luísa pela dica.


1 embalagem de 6 tortilhas (usei da Bimbo)

1 embalagem de queijo creme magro (usei Philadelphia light)

250 g de salmão fumado (usei o do Lidl)

1 embalagem de rúcola selvagem lavada

Sumo de limão q.b.

Borrifar as tortilhas e colocá-las no microondas 15 segundos (ou conforme as indicações da embalagem).

Barrar cada tortilha com o queijo, colocar por cima uns filetes de salmão, deitar por cima uns pingos de limão, a rúcola e enrolar em charuto. E já está!

15 de maio de 2009

Conchas de massa com espinafres e requeijão

Voltando às massas, à minha querida Bimby e à pasta al forno, deixo aqui esta receita. Por falar em pasta al forno, vi uma delícia de filme nesta segunda feira: Pranzo di Ferragosto (Almoço de 15 de Agosto), um filme italiano feito com poucos recursos mas que impressiona por ser tão verdadeiro. A tradução é fraca mas a comédia é boa.

Quanto à receita, podemos encontrá-la no Fórum Bimby (publicada por Noggy) ou no livro (da Bimby) de Massas, p. 54. Em vez de conchas usei Lumaconi da Garofalo.



14 de maio de 2009

Salmão à finlandesa


Esta é uma das receitas simples, de que já perdi a conta de quantas vezes fiz, e que transforma o salmão no rei da festa. Aprendi a receita em Helsínquia, por isso chamo a receita desta forma. Na praça do peixe, na Finlândia, aprendi a arranjar o salmão de uma forma interessante: as postas são cortadas ao meio, de forma a retirar as espinhas, com o cuidado de não danificar a pele. A posta é então aberta, de forma que a pele de um e de outro lado contacte uma com a outra, e o peixe sem espinhas fique para o exterior. Muitas vezes, como no caso de hoje, usei lombos de salmão, também designado pela minha filha como peixe-das-princesas, ou não fosse cor-de-rosa.

7 lombinhos de salmão

2 c. sopa de manteiga

200 g miolo de camarão

1 cebola

1 pacote de natas ligeiras (ou light) para culinária

Aneto

Sal e pimenta

1-     Num tacho largo ou frigideira, colocar a manteiga a derreter e colocar os lombos de salmão. Temperar com sal e pimenta. Com o lume muito brando para não queimar a manteiga, deixar que o peixe doure ligeiramente de ambos os lados.

2-     Quando o peixe estiver cozinhado, retirá-lo para um prato e reservar.

3-     Mantendo o lume suave, adicionar a cebola em lamelas finas e deixar que dourem. Colocar uma tampa para que amoleçam mais facilmente.

4-     Adicionar os camarões para os saltear.

5-     Adicionar as natas e mexer. Deixar que levantem fervura.

6-     Recolocar o peixe no tacho, aproveitando o molho que eventualmente se tenha acumulado no prato, e envolver as postas no molho, com cuidado, para não desfazer o peixe. Rectificar os temperos e polvilhar com aneto fresco ou seco.

7- Tapar até ao momento de servir para que se percam os aromas. Antes de servir polvilhar com mais aneto. 

Acompanho sempre com batatinhas primor cozidas (com água, sal e hortelã) e temperadas com azeite e, ainda, uma salada verde. O aneto ou endro dá ao salmão um sabor inconfundível. Às vezes encontro aneto fresco nos produtos biológicos dos supermercados. O que me sobra, pico e congelo. Desta vez usei seco, da marca Ducros, com o nome de “Eneldo”. O El Corte Inglês tem aneto seco da própria marca.

13 de maio de 2009

Spinacino ripieno


A ponta da alcatra é uma carne muito saborosa, por vezes negligenciada, e que se presta a ser recheada. Esta é uma receita de família da minha amiga e colega italiana. As medidas que aqui apresento são meramente indicativas. Os ingredientes do recheio podem ser proporcionalmente aumentados, consoante a bolsa que se fizer na carne para colocar o recheio. Deve esperar-se que a carne arrefeça um pouco antes de a fatiar.

500 g de ponta da alcatra (usei de vitelão)

1 ovo mexido (bati-o, cozinhei-o no microondas e mexi-o com um garfo)

100 g de parmesão ralado

1 molho pequeno de salsa picada

1 cebola

40 g de azeite

1 copo de vinho branco

Sal e pimenta

1- Abrir uma bolsa na carne a partir da parte mais larga.

2- Misturar o ovo, a salsa e o queijo e rechear a carne. Com a ajuda de fio de cozinha, cozer a abertura.

3- Temperar a carne com sal e pimenta.

4- Num tabuleiro colocar o azeite, a cebola às rodelas e por cima a carne. Regar com o vinho e levar ao forno aquecido a 250º C. Passados 10 minutos, virar a peça, reduzir a temperatura para 180º C e deixar assar. Neste caso, assou cerca de 40 minutos, por ser uma peça pequena. Durante a assadura, regar com o molho e se necessário adicionar água ao tabuleiro.

Serve-se com o molho. Na pressa de tirar a foto, nem sequer coloquei o molho da carne. Além dos acompanhamentos tradicionais gosto de legumes grelhados (beringela, curgete, pimentos) temperados com azeite.

12 de maio de 2009

Cream scones para o chá das 5

Chá e scones. Está tudo dito. Descobri esta receita de scones num livro que comprei, imaginem, no Lidl! O título do livro é Muffins, mas traz receitas de muffins, bagels, donuts e cookies. E scones. Cá ponho a adaptação à Bimby, mas isto não tem nada que saber. Estes são dedicados à família que vive agora em terras de Sua Majestade.



A receita:

250 g farinha

1 c. chá fermento em pó

1 c. chá fermento de padeiro seco (Fermipan ou análogo)

75 g manteiga

65 g açúcar

1 pitada de sal

140 g natas

1 c. sopa de vinagre balsâmico (ou outro)

Ovo batido para pincelar

1- Pré-aquecer o forno a 210º C (190º C, se o forno for ventilado). Preparar um tabuleiro forrando-o com papel vegetal.

2- Misturar a farinha, os fermentos, o sal, o açúcar e a manteiga até obter uma massa grumosa (10 Seg/Vel 6).


3- Juntar as natas e o vinagre e amassar (3 Min/Vel espiga).

4- Numa bancada enfarinhada, estender a massa com 2 cm de altura e cortar rodelas com a ajuda de um copo. Ou podem tender-se bolinhas com a mão.

5- Pincelar os scones com o ovo batido e levar ao forno durante 15 min.

 

Gosto deles quentes com doce. A foto já só apanhou os que não foram comidos praticamente a sair do forno

11 de maio de 2009

Tarte de 3 chocolates




Os almoços/jantares de família são, por excelência, momentos de partilha de afectos e sabores. Este domingo tivemos um almoço “supimpa” em casa dos avós e a nossa contribuição foi uma tarte que já tinha cobiçado do Forum Bimby (porque os olhos levam o estômago a pecar). Deixo aqui as fotos. A receita podem encontrá-la no Forum (receita da Yuska) e possíveis decorações, estão também no Forum (da Alegna). Adoptei a versão rústica/bucólica, aproveitando as sobras de chocolate branco, que derreti no microondas, para ter aquele final feliz: as cerejas no topo do bolo!

Entre vários tupperwares, a avó preparou-nos esta fantástica cesta para trazermos para casa! Linda, não acham? 


10 de maio de 2009

Cannelloni Napoletana light

Andamos, muitas vezes, a contar as calorias das receitas e, outras tantas, com reticências sempre que lemos palavras como natas, queijo, manteiga, béchamel, que em determinadas receitas são simplesmente insubstituíveis.

Aqui vai uma receita light de cannelloni, a que os meus filhos chamaram “um figo”. Obrigada à Ana Maria pela receita. Usei “tomatada” de compra tal como me foi ditado. Mas pode sempre fazer-se em casa. Usei a Bimby para o molho.


 

A receita:

250 g cannelloni (usei dos pronti da infornare mas podem ser quaisquer)

500 g carne de vaca picada

3 queijinhos frescos

Sal e pimenta q.b.

1 ovo

250 g (1 frasco) de preparado de tomate com ervas (usei: Gran’Italia Napoletana con BASILICO)

1 cebola

40 g azeite

300 g água

 

1-     Misturar a carne, os queijos, o ovo e temperar a gosto.

2-     Com a mistura preparada, rechear os cannelloni e acomodá-los num tabuleiro.

Costumo recheá-los com a ajuda de um saco de congelação que transformo numa “manga”, cortando um dos cantos e formando um orifício ligeiramente mais pequeno que o interior dos cannelloni.

(Da caixa de 250 g sobraram-me apenas 2 por encher)

3-     Picar a cebola (5 Seg/Vel 5, com a ajuda da espátula fazer descer a cebola que fica nas paredes do copo), juntar o azeite e refogar (7 Min/Varoma/Vel 1).

4-     Juntar o preparado de tomate, a água e refogar (3 Min/100º/Vel 1).

5-     Triturar tudo (6 Seg/Vel 7).

6-     Verter esta papa por cima dos cannelloni, tapar o tabuleiro com uma folha de alumínio e levar ao forno a 200º C, durante 45 min. Aumentar a temperatura para 250º C, por mais 15 min. Retirar o papel de alumínio e, se o molho estiver muito líquido, deixar mais um pouco no forno, sem o papel, para evaporar a água. No meu caso não foi necessário.

8 de maio de 2009

Bolo de coco molhadinho e fresquinho


Este bolo, que faço em tabuleiro, é muito apreciado por um grupo de amigas.

Aqui vai a receita com a conversão da minha chávena em grama e redacção em “bimbês”:

Casca de um limão sem a parte branca

5 ovos

3 cháv. açúcar mal cheias (450 g)

coco ralado: 1 cháv para a massa (100 g) + 100 g para polvilhar

Leite: 1 cháv. para a massa (250 g) + ½ L para regar o bolo

1 cháv. óleo (200 g)

3 cháv. farinha com fermento (400 g)

1 c. sopa de fermento em pó (15 g)

1 tabuleiro untado de manteiga e polvilhado com farinha

1- Ralar a casca do limão (no copo da Bimby: 15 Seg/Vel 9)

2- Juntar todos os ingredientes da massa à raspa, com excepção da farinha e do fermento e bater a mistura (5 Min/Vel 4)

3- Adicionar a farinha e o fermento e envolver bem (5 Seg/Vel 4)

4- Verter a massa na forma e levar ao forno, a 180 º C, durante 45 minutos a 1 hora. Retirar do forno logo que o palito saia enxuto no meio do bolo

5- Ainda quente, picar o bolo com um garfo e regá-lo com o leite, em toda a superfície. Polvilhar com o coco ralado reservado para este fim. Uma vez arrefecido, colocar no frigorífico, onde deve ser conservado. Às vezes, depois de arrefecer, rego-o ainda com mais leite.

Deve comer-se fresquinho.